sexta-feira, 29 de junho de 2007

Escrevendo o que me vem à mente

É uma tarde de sexta-feira. E só tenho algo em comum: a tranqüilidade costumeira. Toda sexta-feira é assim, mas a de hoje é diferente. O Colégio está bastante vazio e posso contar nos dedos das mãos os alunos do segundo ano. O porquê de tudo isso? Uma viagem. Uma viagem iniciada na noite de quarta-feira e que perdurará até a noite de sábado.
Era para eu estar lá também, mas por força maior algo me impediu de estar curtindo o Museu da Língua Portuguesa. Foram três tentativas, todas fracassadas. Porém seu eu tivesse ido, não teria encontrado a maravilhosa companhia do Hermann (um senhor cão de um amigo meu). Também não teria recebido uma esplêndida aula VIP de Inglês! E nem teria desenvolvido mais a minha leitura de "A Menina que Roubava Livros." Porém o mais importando: não teria, de jeito nenhum, fortalecido a minha paixão.
A vida simplesmente é composta de perdas e ganhos.

Quero terminar com um trecho de "A Menina que Roubava Livros":

"Agora, uma mudança de cena.
Foi tudo muito fácil para nós dois até aqui, meu amigo ou amiga, não acha? Que tal esquecermos de Molching por um ou dois minutos?
Isso nos fará bem.
Além disso é importante para a história.
Viajaremos um pouquinho até um depósito secreto, e veremos o que virmos.


UMA TURNÊ GUIADA PELO SOFRIMENTO
À sua esquerda,
talvez à sua direita,
ou até direto em frente,
você encontrará um quartinho escuro.
Nele está sentado um judeu.
Ele é a escória.
Está morrendo de fome.
Sente medo.
Por favor, procure não desviar os olhos."
(A Menina que Roubava Livros - Markus Zusak - página 131)
Simples e encantador.

2 comentários:

Letras disse...

Aos poucos está ficando bom o blog...

kety disse...

hi,realmente esta mto interesante, gostei do trechinhu do livro da menina q roubava livros parece ser mto bom... e interesante... bjusss
ate mais.