quarta-feira, 7 de maio de 2008

Um oceano de esquisitices


É assim que se intitula a seção "Mente Aberta", da edição da revista Época desta semana. Trata-se de mais um lançamento que provavelmente atingirá o topo, pois quem não se interessaria em ler sobre uma mulher (chamada Oceane), que percebe que sempre quando sai de casa e retorna, volta mais estressa, com mais preocupações. O que então ela decide fazer? Ficar em casa. Sim, simplesmente ficar em casa, observar o acontece no mundo somente com a Internet, fazer festas nos próprios apartamentos (os dois no mesmo prédio, é claro).



Eis um pequeno trecho:

"Eu ia para o metrô, quando vi uma mulher ziguezagueando na calçada com um enorme bolo de casamento de três camadas. Fiquei perplexa, pois sabia que não havia confeitarias na vizinhança. Perto dali não havia estacionamento ou portas para onde ela pudesse estar caminhando. Por mais implausível que fosse, parecia que ela estava levando o bolo de casamento para um passeio com dificuldade considerável. Mais implausível ainda foi que, quando emparelhamos, ela me deu um pontapé lateral no estômago. O chute doeu muito, e eu me curvei. A mulher e o bolo foram em frente. Não foi só por causa disso que eu desisti de sair. Mas isso foi o ponto final numa sentença longa e desagradável. Eu vinha notando, havia certo tempo, que sempre voltava para casa mais mal-humorada do que saíra. No mínimo estava cansada, mas quase sempre furiosa por causa de algum abuso."

Interessante não?!